• Marinha Portuguesa celebra 700 anos com Seminário Internacional

    Seminário internacional “Estratégias marítimas para o séc. XXI”  ​ 09:15 – 09:30​ | Sessão de Abertura ​​​Contra-almirante António Henriques Gomes Painel I – Os oceanos no séc. XXI (09:30-13:00) Moderador: Prof. Doutor Lynce de Faria (Escola ...

  • Urgência na aplicação do direito humano sobre o direito cultural, por António Justo

      URGÊNCIA NA APLICAÇÃO DO DIREITO HUMANO SOBRE O DIREITO CULTURAL Da Negligência política no Lidar com o Direito Constitucional O ser humano começou por ser nómada e continua nómada; corresponde à sua natureza o esforçar-se para encontrar ...

  • Grada Kilomba no MAAT e na Galeria Avenida da Índia

    A não perder Escritora e artista portuguesa a residir em Berlim, é um nome cada vez mais celebrado na arte contemporânea. A partir de hoje temos as suas primeiras exposições individuais em Portugal. Vamos ouvir Grada Kilomba – e isso é olhar de ...

  • Prémio de jornalismo Fernando de Sousa em 2018

    Representação da Comissão Europeia em Portugal lança a segunda edição do Prémio de Jornalismo Fernando de Sousa em 2018 Com base no sucesso da edição de 2017, vamos lançar, no início de 2018, a segunda edição do Prémio de Jornalismo «Fernando de ...

  • Mário Centeno eleito Presidente do Eurogrupo

    Mário Centeno eleito Presidente do Eurogrupo

    A eleição do Dr.Mário Centeno é uma excelente notícia para Portugal e para o próprio evidentemente. Independente, com formação elevada, nomeadamente em Harvard, mostrou capacidade para gerir exxpectativas em Portugal, conseguindo cumprir e dar ...

Últimas Notícias

  • A eleição do Dr.Mário Centeno é uma excelente notícia para Portugal e para o próprio evidentemente. Independente, com formação elevada, nomeadamente em Harvard, mostrou capacidade para gerir exxpectativas em Portugal, conseguindo cumprir e dar satisfação ao alívio necessário da da linha dura que vinha sendo praticada de forma insensível. É uma credencial extraordinária que certamente foi tida em conta na presente eleição. Mário Centeno presidirá a partir de 13 de janeiro ao Eurogrupo, um grupo informal de ministros das finanças e terá de gerir em conjunto com os restantes. No entanto e não despiciendo, a AGENDA será da responsabilidade dele, podendo introduzir temas que até hoje não era possível incluir. As dívidas dos países do sul e como as gerir, e isso não é pouco. No seu mandato vai ser certamente criado o Fundo Monetário Europeu, vai ser criado o super ministro das finanças europeu, etc. É um momento marcante. Mário Centeno terá agora acesso e será presença em diferentes palcos, nomeadamente nas reuniões do G7 e isso amplia a importância de Portugal no mundo. [caption id="attachment_3876" align="alignnone" width="150"] Mário Centeno[/caption] PF

  • EDITORIAL

    A recente discussão sobre a descida da TSU para compensar míseros aumentos salariais e fixação de salário mínimo, obriga a reflexões de todos.

    Portugal nivela sempre "por baixo"

    As estatísticas dizem que a qualificação dos empresários nacionais em elevada percentagem é inferior à dos funcionários que lideram.

    Gera, um problema de falta de visão empresarial, de capacidade de investimento e promoção do futuro e, até a um  incentivo para não estudar, aprender.

    De facto, aprender e estudar, para quê?

    As práticas empresariais em Portugal, visam sempre o enriquecimento rápido sem visão de investimento no futuro.

    Felizmente há exemplos contrários que devem ser saudados, mas, a percentagem de exemplos contrários é abundante.

    Descapitalizam as empresas, adquirem bens que não são resultantes de sucesso profissional, mas da descapitalização das empresas.

    Há exemplos de todo o tipo.

    Pagam salários baixos e o "resto" por fora prejudicando a segurança social e o fisco, mas também os próprios empregados que diminuem a capacidade de ter uma reforma decente.

    Beneficiam da pouca alternativa de emprego e do medo dos empregados.

    São actos indecorosos que não ajudam o futuro ou o crescimento expectável,menos ainda a necessária motivação individual.

    Urge colocar um ponto final em tudo isto e ultrapassar a composição das actuais lideranças empresarias das Confederações patronais que exibem um baixo nível de qualificação e, necessáriamente, nada a esperar da concertação social que deveria ser um factor de desenvolvimento e criação de oportunidades e, assim não é.

    O fausto que exibem é o inverso do insucesso empresarial das fábricas abandonadas que se encontram espalhadas por todo o país.

    Lamentável.

    [caption id="attachment_2898" align="alignnone" width="150"]abandono abandono[/caption] [caption id="attachment_2897" align="alignnone" width="150"]abandono, insucesso abandono, insucesso[/caption]

    PF

     

  • Com a devida vénia ao nosso Colega Jornal de Oleiros. http://www.jornaldeoleiros.com/2017/01/07/oleiros/editorial-morreu-o-dr-mario-soares.html [caption id="attachment_2835" align="alignnone" width="150"]Liberdade para escrever e pensar. Obrigado Dr. Mário Soares Liberdade para escrever e pensar. Obrigado Dr. Mário Soares[/caption]

  • Os Comandos nasceram no Exército Português como forças especiais de contra guerrilha

    A criação doas Comandos correspondeu à necessidade do Exército dispor de unidades especialmente adaptadas ao tipo de guerra que, em 1961, começou em Angola e que, depois, se estendeu à Guiné e a Moçambique

    O primeiro objectivo que se pretendeu atingir foi: “…constituir uma tropa especialmente preparada para as operações de contra guerrilha…

    A história dos Comandos começou em 25 de Junho de 1962, quando em ZEMBA, no norte de Angola, foram constituídos os primeiros seis grupos de combate, daqueles que seriam os antecessores dos Comandos.

    Os seis grupos obtiveram excelentes resultados operacionais.

    Em 1963 surgiu então, pela primeira vez, a designação de COMANDOS para as tropas instruídas no Centro de Instrução 16 em QUIBALA (Angola).

    Em 13 de Fevereiro de 1964, iniciou-se na NAMAACHA (Lourenço Marques) o 1º Curso de Comandos de Moçambique.

    1965 - Passa a funcionar em LUANDA o Centro de Instrução de Comandos, criado por decreto-lei nº 46410 de 29 de Junho 65, que formaria Companhias de Comandos durante 10 anos, com destino às Regiões Militares de Angola e Moçambique (RMA, RMM).

    1966 - Em Abril, é criado em LAMEGO um novo CI, onde passam a ser formadas Companhias de Comandos para os Teatros de Operações da Guiné e de Moçambique.

    1969 - Em Julho, é criado em BISSAU (Guiné) o Batalhão de Comandos da Guiné, que passa a integrar todas as Companhias de Comandos em actuação no Teatro de Operações da Guiné e, simultaneamente , funciona como CI, onde são formadas e recompletadas as 1ª, 2ª e 3ª Companhia de Comandos da Guiné.

    04Jul74 - É criado o Batalhão de Comandos nº 11, que fica aquartelado na Amadora, onde são integradas ou formadas as Companhias de Comandos.

    25Nov75 – O Regimento de Comandos intervém vitoriosamente e de forma altamente meritória nos destinos político-militares de Portugal, consolidando em definitivo a democracia e a liberdade conquistada em 25 de Abril de 1974 1976 - Nos diversos Centros de Instrução e até 1976, formaram-se um total de 67 Companhias de Comandos, que souberam sempre combater com determinação e valor, em todos os Teatros de Operações

    01Out93 - É extinto o Regimento de Comandos 1996 – É ministrado o 99º Curso de Comandos, no Centro de Instrução de Operações Especiais / Lamego 09Maio02.

    É reactivada a Unidade de Comandos, de escalão Batalhão a 2 Companhias, sedeada no Regimento de Infantaria Nº 1 - Serra da Carregueira

    16Set02 - Início do 100º Curso de Comandos.

    01Jul06 – É criado o Centro de Tropas Comandos (CTCmds).

    Por Despacho nº 131/CEME/2006 de 26Junho, com base no Anexo ao DL nº 115/2006 (2ª série) de 16 de Junho.

    31Mar08 - O CTCMDS é transferido do Quartel do Alto da Vela para o Quartel da Carregueira pela Directiva Nº12/CEME/08 de 10 de Janeiro.

    31Jul15: Em cumprimento do determinado no Decreto Regulamentar n.º11/2015, o Centro de Tropas Comandos retomou a designação de Regimento de Comandos (RCmds).

    • Em breve os nomes dos vários CMDT's das Companhias.
    • [caption id="attachment_2384" align="alignnone" width="150"]Comandos Comandos[/caption]

    ..............

    A triste notícia do falecimento de dois jovens nos treinos de candidatura a Comando, deixou todos os militares, familiares e amigos tristes. 

    [caption id="attachment_2387" align="alignnone" width="150"]Soldados da &º Companhia Soldados da 6ª Companhia[/caption]

    Quase todos os que combatemos, passaram por situações muito difíceis que não esqueceremos.

    Reconhecemos que os cursos devem ser adaptados ao tempo em que estamos, à evolução tecnológica, à ampliação de meios de apoio.

    [caption id="attachment_2388" align="alignnone" width="150"]38ª de Comandos 38ª de Comandos[/caption]

    Não tem discussão, tal como não é discutível o fim do regimento, algo que só pode pedir quem não teve o previlégio de defender o seu país, vestir a farda.

    Esse sentimento só os que a vestiram podem sentir.

    Penso e sou sincero, acredito que ao Ministro da Defesa não terá passado pela cabeça tal solução e, acredito também que o Presidente da República não o permitiria.

    O Regimento de Comandos ( a unidade com maior número de Torres Espada ), a mais alta condecoração para um militar está para durar.

    [caption id="attachment_2385" align="alignnone" width="150"]Jaime Neves Jaime Neves[/caption]

    As suas distinções são imensas, da guerra em África ao Afganistão onde o CMDT Chefe, um General Britânico, afirmou que nunca havia comandado Homens de tão elevada craveira.

    Tive o previlégio de conviver com muitos, privar com outros, ser Amigo de muitos. Seria fastidioso mencionar todas os que o mereciam e todos percebem essa impossibilidade, mas, não posso nem devo esquecer Homens como Jaime Neves, Raúl Folques e outros.

    [caption id="attachment_2386" align="alignnone" width="150"]Raúl Folques Raúl Folques, Cor. CMDT da 38ª[/caption] [caption id="attachment_2384" align="alignnone" width="150"]Comandos Comandos[/caption]

    A terminar, fica claro que nos bateremos em todas as frentes em defesa do Regimento.

    PF

  • O desastre Lula da Silva A História já não poupará este homem pequeno de cultura. Vindo do operariado, chegou a Presidente e, ao sair colocou lá uma "mulher de mão" que agora procurou ordeiramente salvar o protector. Ambos terão um fim feio, esperando-se apenas que não arrastem o país para um desastre ainda maior. Lula transformou-se num pesadelo para tantos amigos que o admiravam e prejudica a imagem do seu país e não só. A Justiça no Brasil vê-se envolvida muito negativamente neste escabroso processo, ao ver um Juíz Federal ( Itagiba Catta Preto Neto ) que nome, figura das manifestações de rua que escutou a ainda Presidente Dilma Rousseff e, não satisfeito pela quebra grave, coloca a escuta na internet. Lamentável. Dois homens e uma mulher que podem arrastar o país irmão para um enorme desastre. Desejamos que o Brasil com uma das classes políticas mais corruptas do mundo, se livre dos três e afugente dezenas de outros sem que um desastre se verifique. [caption id="attachment_1871" align="alignnone" width="150"]Lula da Silva Lula da Silva[/caption] PF

  • EDITORIAL

    A muito poucas horas do ainda Presidente deixar de o ser, importa uma nota. Nota prévia - Declaração de interesses Nunca votei em Cavaco Silva. Reconheço no entanto que ocupou os cargos democráticamente, isto é, foi eleito pelos seus concidadãos. Isto faz toda a diferença e importa salientar desde já. (Fim de nota prévia). ... Que levou Cavaco Silva a tão grande descalabro? Seguramente o facto de ser um Presidente distante, interessado nos benefícios próprios, rodeado de gente má (erva daninha)... É pavoroso ver as caras de quem o rodeava e rodeou sempre. Interessado nos bens próprios fez negociações de acções do BPN com mais valias extraordinárias, impossíveis de deixar de classificar como "pagamento de favores". Escolheu receber as chorudas reformas ao invés do salário de função e num momento de grande dificuldade no país, apresentou queixas de ganhar pouco... Foi sempre um homem parcial. Saíu pobre da terra e regressa muito rico, este o saldo. Dito isto e pegando na Nota Prévia, faz mal aos portugueses terem tido um Presidente tão mal amado e incomoda mesmo ver como é tratado nas redes sociais e na rua. É um verdadeiro incómodo pessoal. Mas, finalmente chegou o dia da partida que tardava. É um momento de esperança. Estou certo que Marcelo Rebelo de Sousa não vai especular com acções nem abdicar de receber o salário que lhe compete. Estou ainda seguro que vai ser um Presidente próximo e que se rodeará dos melhores e, isso é já evidente. Boa sorte Presidente. [caption id="attachment_1850" align="alignnone" width="150"]Paulino B. Fernandes Paulino B. Fernandes[/caption] PF  

  • Finalmente Portugal pode influir na Europa

    Seguindo-se à Grécia,e antecipando o afastamento de Rajoy em Espanha em Dezembro, Portugal vem agora apoiar as mudanças indispensáveis para salvar a Europa...se ainda fôr tempo disso. Com Renzi em Itália e Hollande em França que já iniciou os movimentos de oposição à política alemã para os países do sul, Portugal vem agora juntar a sua voz para alterar o rumo. O futuro governo do PS sufragado no Parlamento ( recordamos que esta é a sede da política em Portugal - os portugueses não votaram para um Primeiro -Ministro ), finalmente, é possível alterar as políticas seguidas em Portugal que arruinaram o país e criaram um imensomundo de pobreza e desastre social visível nas ruas das cidades principais. Cavaco Silva já tinha acabado e acabado mal, termina agora de forma desastrosa e colado às políticas do seu Partido, sem que a História o possa recordar por algum bom motivo. Lamentável para um Presidente que não percebeu que deveria ser de todos os portugueses e não só de alguns, É a hora do PSD voltar à sua matriz original, acabando de vez com esta corrente neo-híper liberal que nada de bom trouxe a Portugal. PF [caption id="attachment_1407" align="alignnone" width="100"]Director Director[/caption]

  • O Povo votou ontem e exibe as graves mazelas de um Regime nunca sufragado. Imposto pelas armas que derrubaram a Monarquia, com a complacência da maioria dos Monárquicos adormecidos e que temam em dirimir armas entre eles, o actual Regime procura sobreviver entre ondas de choque que o descredibilizam e fazem descrer os portugueses. Que representatividade é esta? Que representa na verdade um Regime que se faz eleger com 4 065 288 votos de abstenção ( 43,07%) a maior de sempre e sempre a crescer, 112 293  votos Brancos (2,09%) e Nulos 86 571 (1,61%) totalizando estes três ítems 46,77% e 4 264 152 votos alhiados do que se passa, descrentes, afastados do futuro que importa. Com 9 439 651 votantes inscritos, votaram 5 374 363, ou seja, apenas 56,93%. Que representa a vitória de quem mais perdeu face a resultados anteriores? A Coligação que ganhou, perdeu imensos votos, perdeu a maioria que detinha e obteve apenas 38,55% do total de 56,93% dos votantes. Não há assim razão alguma para comemorar seja o que for. O que se aproxima é mais instabilidade e gerir o tempo até novas e inevitáveis Eleições um pouco depois das Presidenciais que afastam finalmente um Presidente pouco presente, um Presidente que nunca conseguiu ser de todos os portugueses como deveria. Lamentável futuro. [caption id="attachment_1407" align="alignnone" width="100"]Director Director[/caption] PF