A África em Fuga

A fuga de centenas de milhares de homens mulheres e crianças do Norte de Africa e do médio Oriente, está a tomar proporções Bíblicas; e fazem-nos lembrar o grande Exodus que Moisés protagonizou com o seu povo, através do deserto no caminho da terra prometida; levando com ele 600.000 pessoas que seria hoje equivalente a 20 milhões.

Há precisamente dois anos que escrevi “Mártires e Heróis em Lampedusa” publicado em mais de 100 países, tinha o Papa Francisco visitado há poucos dias esta ilha italiana, onde aportam milhares de migrantes; sendo a Sua primeira deslocação Oficial após ter sido proclamado Sumo Pontífice. Imediatamente a seguir deflagrou o conflito na Síria que deixava antever tempos difíceis para aquele país milenar onde o Cristianismo teve as suas raízes; escrevi então “Quo Vadis Síria” ( para onde vais Síria ). Ao tempo alertei para o perigo de um conflito generalizado naquela zona; este país com 20 milhões de habitantes, cuja Capital Damasco é das Cidades mais antigas do Mundo está à beira da catástrofe total, e de ser absorvido pelo Califado que domina uma grande extensão do território Sírio e do Iraque.

Existem milhões de Cristãos em zonas ainda não ocupadas pelo Estado Islâmico, que tudo farão para não caírem sob o seu domínio; e a Europa, não pode fechar as portas a centenas de milhares ou milhões que vão estar em fuga.

A espinha dorsal da União Europeia, quebrou pela solidariedade negada aos países do Sul seus membros; com juros cobrados em alguns casos a 24% como foi com a Grécia; faltava a prova final que chegou agora com os migrantes.

Os países ricos do Norte, já começaram a selecionar os que têm mais habilitações profissionais; quem não lhes interessar, apontam-lhes os caminhos da Itália, da Grécia, Espanha e Portugal; mas esqueceram-se de um pormenor; essa é também a estrada, que vai dar ao fim da União Europeia.

Sem comentários...

Sem comentários…

* Joaquim Vitorino, Blogger e Jornalista

The following two tabs change content below.
Avatar
O BLOG Povo de Portugal é originado pelo título original de "Jornal Povo de Portugal". Nasceu em 19 de Novembro de 2007. Data em que nasceu o Jornal Povo de Portugal, editado durante vários anos em papel, foi percursor dos Jornais de Oleiros e de Vila de Rei. Percorreu a Europa, ligou os Portugueses espalhados pelo mundo com inegável sucesso. Vicissitudes várias, determinaram a suspensão que agora acaba, retomando as edições em online numa primeira fase como BLOG. Os insistentes incentivos de tantos Amigos espalhados pelo mundo, determinam a indispensabilidade de admitir esta medida que aqui anuncio com prazer e ambição. Voltaremos em breve a estar reunidos na defesa dos mesmos valores, dos mesmos objectivos, agora sob a designação de BLOG.