EDITORIAL

Na semana que culmina com a data histórica da libertação de um povo, desejamos assinalar a data que honramos e festejamos com solenidade.

É ao 25 de Abril que agradecemos ser livres, inclusive para combater a data como despoduradamente fazem a direita e a extrema – direita que se sentem confortáveis para tais atitudes.

Bastaria ter em conta o que significa a junção do PS, de parte do PSD (com significado), do PCP, do BE, do PAN, Verdes e outros, para ser clara esmagadora maioria dos apoiantes da data, versus os muito poucos mas ruidosos representantes do CDS, Iniciativa Liberal e Chega que em conjunto não chegam a representar 15% da população.

Isto a propósito das Petições em curso alimentadas nas redes sociais, nas quais os primeiros são minoritários, pois o povo muito ainda info-excluído não acede a estas redes, tão pouco frequenta militantemente a internet.

Ver uma figura como Manuel Alegre embarcar numa competição como esta é confrangedor, pois, deveria saber que se expõe a uma pesada derrota além de alimentar divisões.

Uma palavra negativa ainda para o Presidente da Assembleia da República que dia-a-dia é uma figura menos consensual pela agressividade que utiliza nas suas intervenções, dividindo inclusive o seu próprio Partido. Ferro Rodrigues tem vindo a distanciar-se das boas práticas em Democracia, parecendo em muitos momentos considerar que o facto de ser segunda figura na hierarquia, não o deveria obrigar a ser mais, muito mais, moderado, pugnando pela abrangência nas posições que toma.

A celebração do 25 de Abril na Assembleia é um acto adequado, tanto mais que a Assembleia não reabre para o efeito.

Pelo contrário, nunca fechou.

Porque fecharia agora?

A polémica do número de pessoas já muito reduzidas na cerimónia (actualmente 130) poderia ainda ser reduzida, ou deveria, e isso, acredito ainda vai acontecer.

Seja como for, a Cerimónia deve ali ser realizada, com a contenção adequada, sem que esteja aberto a novas formas de celebração que podem e devem ser reinventadas.

Paulino B. Fernandes

Director

The following two tabs change content below.
Avatar
O BLOG Povo de Portugal é originado pelo título original de "Jornal Povo de Portugal". Nasceu em 19 de Novembro de 2007. Data em que nasceu o Jornal Povo de Portugal, editado durante vários anos em papel, foi percursor dos Jornais de Oleiros e de Vila de Rei. Percorreu a Europa, ligou os Portugueses espalhados pelo mundo com inegável sucesso. Vicissitudes várias, determinaram a suspensão que agora acaba, retomando as edições em online numa primeira fase como BLOG. Os insistentes incentivos de tantos Amigos espalhados pelo mundo, determinam a indispensabilidade de admitir esta medida que aqui anuncio com prazer e ambição. Voltaremos em breve a estar reunidos na defesa dos mesmos valores, dos mesmos objectivos, agora sob a designação de BLOG.