EDITORIAL

A pandemia que persiste e não se vê como pode terminar, apesar de tanta notícia sobre vacinas, tememos que as mesmas demorem e se arrastem no tempo, mesmo depois de chegarem aos diferentes países, teremos pela frente um enorme problema de logística e depois vacinação.

Demorará muitos meses depois de chegarem as vacinas até as mesmas terem efeito na população, restando saber qual o efeito e a validade do tempo após a vacinação. Ou seja, depois de vacinado, quanto tempo permanece a imunidade?

Sucedem-se as manifestações a pedir apoio lancinante em alguns sectores, o comércio em geral, a restauração, a cultura, etc, etc.

Pedimos porque estamos em desespero e nem conseguimos pensar de onde poderá vir tanto dinheiro?

Há aproveitamento político extremo, nenhum governo faria melhor e mais valia pensar, ser prudente e pedir sim, mas com critério.

É inegável que por mais apoios, muitas empresas ficam sem futuro.

O turismo em que assentava a economia, desapareceu e com ele tornaram-se obsoletos imensos negócios que nem vale a pena serem apoiados, pois, depois do apoio fecham mesmo e em definitivo.

Em Lisboa fecharam já 111 lojas de todo o tipo.

Muitas mais vão fechar.

A quantidade inusitada de restaurantes e cafés que faz lembrar a enorme quantidade de indivíduos candidatos às Eleições Presidenciais, só é possível em Portugal e, tememos que os populistas que se manifestam e são apoiados por imensa imprensa, arrastem o país para soluções políticas indesejáveis e que só piorarão as condições dos actuais carentes que verão de novo a força a esmagar soluções.

É muito complicado em Democracia manter a ordem nestas circunstâncias.

Caminharemos para uma ditadura a breve prazo? É isso que os cidadãos querem?

A fome é má conselheira, sabemos bem do que falamos e, um povo genericamente inculto, que não lê e não se cultiva, é instrumento fácil de manejar.

Reflitam enquanto estão a tempo.

Director

The following two tabs change content below.
O BLOG Povo de Portugal é originado pelo título original de "Jornal Povo de Portugal". Nasceu em 19 de Novembro de 2007. Data em que nasceu o Jornal Povo de Portugal, editado durante vários anos em papel, foi percursor dos Jornais de Oleiros e de Vila de Rei. Percorreu a Europa, ligou os Portugueses espalhados pelo mundo com inegável sucesso. Vicissitudes várias, determinaram a suspensão que agora acaba, retomando as edições em online numa primeira fase como BLOG. Os insistentes incentivos de tantos Amigos espalhados pelo mundo, determinam a indispensabilidade de admitir esta medida que aqui anuncio com prazer e ambição. Voltaremos em breve a estar reunidos na defesa dos mesmos valores, dos mesmos objectivos, agora sob a designação de BLOG.