• Diogo Freitas do Amaral faleceu aos 78 anos

    Vítima de doença prolongada, faleceu o Mestre em Direito, um dos Fundadores da Democracia em Portugal Oriundo da Democracia Cristã, fundou o CDS e, alguns anos depois, aproximou-se do Centro – Direita e estabeleceu pontes com Mário Soares, ...

  • Oeiras prepara o futuro e investe na ciência

    O território como um ecossistema de referência nas áreas da ciência e inovação Aqui está sedeada uma grande quantidade de empresas de base científico-tecnológica, bem como várias universidades e institutos científicos de excelência”, afirma o ...

  • 11 de Setembro, data a recordar sempre

    Centenas de Bombeiros mortos nas torres, milhares de cidadãos mortos, desastre imenso O dia em que a América tremeu começou por ser uma terça-feira normal na cidade que nunca dorme. Mas eis que o choque de dois Boeing 767-200ER contra um dos ...

  • Portugueses que se distinguem

    Tem sido crescente a importância do Le Soleil  ( Restaurante ) em Corsier (Genéve), devido a uma qualidade e atenção ao cliente irrepreensível, já testemunhada por diversas vezes. Uma equipa extraordinária sob a batuta do Tony Teixeira, faz as ...

  • Emigrantes na Suiça regressam em força

    A primeira geração de portugueses na Suiça está a chegar à reforma e a pensão é demasiado baixa para o custo de vida. Só em 2018 regressaram mais de 10 000, o dobro de 2013. As rendas de casa são muito altas, o seguro de saúde individual importa ...

Últimas Notícias

  • Vítima de doença prolongada, faleceu o Mestre em Direito, um dos Fundadores da Democracia em Portugal [caption id="attachment_4419" align="alignnone" width="150"] Diogo Freitas do Amaral com Sá Carneiro, Mário Soares e A.Cunhal [/caption] Oriundo da Democracia Cristã, fundou o CDS e, alguns anos depois, aproximou-se do Centro - Direita e estabeleceu pontes com Mário Soares, por exemplo e antes com Sá Carneiro. Frontal, extremamente culto, insigne Mestre, travou com Mário Soares uma épica "batalha" nas Presidenciais que perderia por pouco. Tornaram-se de adversários, em grandes Amigos. Diogo Freitas do Amaral exerceu diferentes e importantes cargos políticos, incluindo as Nações Unidas, afastando-se do CDS. Conhecia bem o problema da Monarquia em Portugal e, por diversas vezes reuniu com Dom Rosário de Bragança, reconhecendo que Dona Maria Pia era uma Princesa de Portugal, sucessora de Dom Carlos I. [caption id="attachment_4420" align="alignnone" width="150"] Diogo com Dom Rosário de Bragança[/caption] As condições políticas em Portugal não permitiram que tal desígnio fosse conseguido, nem é hora agora de entrar nessas matérias, e pelo contrário, é hora de apresentar condolências em nome da Casa Real de Portugal, particularmente de Dom Rosário, ( que aqui expresso devidamente autorizado para o efeito). Nota da Direcção: O Director e Colaboradores apresentam sentidas condolências à Família e Amigos

  • A primeira geração de portugueses na Suiça está a chegar à reforma e a pensão é demasiado baixa para o custo de vida. Só em 2018 regressaram mais de 10 000, o dobro de 2013. As rendas de casa são muito altas, o seguro de saúde individual importa mensalmente em mais de 500 euros. As reformas, pouco superiores a 2000 euros, não permitem continuar a viver de forma positiva. Nuno Santos, presidente da Associação de Apoio à Comunidade Portuguesa na Suiça, diz que há " quem tenha dívidas porque o salário não chega ou está no desemprego ". A recente alteração de informação financeira entre países da OCDE, permitiu ao fisco suiço saber se o património adquirido é todo declarado e, muitos portugueses nunca o fizeram e são agora obrigados a declarar. O fisco faz depois os acertos que estão a colocar a comunidade em pânico. O programa do IEFP "regressar", está a ser bastante utilizado. O apoio pode atingir 6 536 euros. A redução do IRS em 50% para quem emigrou até 31 de Dezembro de 2015 e regresse em 2019 ou 2020 e não tenha residido em Portugal nos últimos 3 anos, não tenha dívidas à segurança social ou finanças é um factor positivo. Outros apoios são a redução em 20% no IRS durante 10 anos e não exige que tenham emigrado até 2015, precisando apenas de não ter vivido em Portugal nos 5 anos anteriores. A isenção de impostos relativos às reformas é outro apoio significativo durante 10 anos. A generalidade dos portugueses que regressam, possuem a sua casa própria em que investiram ao longo dos anos, são apenas surpreendidos pelo regresso a aldeias já praticamente "sem vida"... O Portal das Comunidades diz que há gabinetes em 157 Câmaras, 142 já a funcionar e os restantes em fase de instalação, outro apoio a consultar. Na Suiça há 3 tipos de autorização de residência: O "Permis L" é uma autorização anual que originou em 2018, 924 regressos. O "Permis B", autorização de 5 anos, originou 3 804 regressos e o "Permis C", autorização definitiva, originou 5 526 saídas, sendo que no total, em 2018 regressaram mais de 10 254 pessoas. PF

    • Fontes: Expresso e IEFP.

  • Visitas guiadas para turistas ao percurso de arte urbana no Bairro da Torre
    Sábado, logo pela manhã, o Bairro da Torre acolheu 18 jovens de várias nacionalidades para uma visita guiada à galeria de arte cujas telas são as empenas dos prédios do bairro. Um percurso através de um verdadeiro museu de arte urbana com obras de vários artistas que não deixa ninguém indiferente. É esta a nova aposta da Associação "Somos Torre" que promove as visitas guiadas e está a ser um sucesso. Neste momento são 23 as empenas transformadas em arte por vários artistas. Tudo começou em 2016 com a terceira edição do Festival de Arte Urbana Muraliza. Depois de duas edições bem sucedidas do festival, e havendo necessidade de identificar novos espaços para expressar a arte, a Câmara Municipal de Cascais, em parceria com a associação de moradores, trouxe ao Bairro da Torre vários artistas. A mudança, além da cor e beleza, fez sentir a outros níveis. Nesse ano, da parceria entre a Fundação “O Século” e o Clube das Gaivotas da Torre - Associação Juvenil, nasceu a Associação "Somos Torre", um projeto de empreendedorismo social no âmbito do programa "Take.it" que assenta na premissa de que todos têm um talento, uma vocação. Apenas precisam de oportunidade e contexto para identificá-la. Rapidamente, o bairro transformou-se em motivo de atracção turística, juntando-se mesmo a música com a primeira edição do Festival do Infinito. Tal foi o sucesso que, este ano, está já em preparação, envolvendo todos os serviços municipais que trabalham com jovens, a segunda edição do Festival do Infinito, que irá acontecer em 2020. Para José Avelino, presidente da Associação "Somos Torre", a associação veio ajudar a requalificar a comunidade que estava muito vandalizada. "Ao fazermos estes trabalhos no Bairro envolvemos toda a comunidade e conseguimos criar um espírito de preservação e conservação destas obras, por parte de toda a comunidade”, explica. “As vistas guiadas que fazemos são uma forma de abrirmos o Bairro ao Mundo, trazendo outras pessoas à nossa comunidade”, acrescenta Claudino Brito, vice-presidente da "Somos Torre". Os dois mentores deste projeto são unânimes: "os moradores em geral, e os jovens em particular, estão apostados em desfazer a ideia de que o Bairro da Torre é um bairro problemático do concelho de Cascais". Mas como se consegue operar esta transformação? Através da cultura. "Esta tem sido uma das apostas da Associação "Somos Torre" para lutar contra esse estigma", explicam. Por outro lado, e dada a experiência dos jovens nesta área, vai em breve arrancar outro projeto: RANart, um dos projetos de jovens a ganhar financiamento através do programa "Up 2 YOUth", promovido pela FatorC, com o apoio da Câmara Municipal de Cascais. Até 3.000 euros, estes projetos visam ajudar os jovens a desenvolver competências transversais através da criação e implementação das suas próprias ideias, envolvendo e impactando a comunidade em que estão inseridos. As expectativas são muito animadoras, pois os jovens têm deixado marcas muito positivas no bairro, revelando outras facetas da comunidade. Sobre a Associação "Somos Torre" | Foi formada no âmbito do Projeto do Take.it - Talentos e Artes com Criatividade e Empreendedorismo, enquadrado pelo Programa Escolhas – gerido pela Ideias Oblíquas. Nasceu da parceria entre a Fundação “O Século” e o Clube das Gaivotas da Torre - Associação Juvenil. Trata-se de uma resposta inovadora para os jovens residentes nos territórios da Torre e da Galiza no concelho de Cascais.

  • Manuel Pinto Luz, Vice-Presidente da Câmara de Cascais liderou a comitiva que em Roma entregou a Chave de Ouro da Vila ao Papa rancisco. Foi, evidentemente um momento marcante para Cascais, mas também para Portugal. No oportunidade foram dados passos significativos para Cascais aprofundar a ligação à rede Scholas Occurrentes que já em 2018 envolveu 180 jovens de Cascais nas suas actividades, estando agora sedeada na Escola Conde Ferreira. Desenvolvimentos em breve.

  • Entramos na semana do 25 de Abril.

    A data é para celebrar, marchando na Avenida da Liberdade para que a data não esqueça e seja celebrada como data libertadora.

    Que cada um celebre nas suas terras, em todo o lado, mas, de preferência nos grandes centros onde tudo se multiplica e decide.

    Por isso, 5ª feira, de novo lá estaremos.

  • O que se passa actualmente em Portugal é incompreensível para a generalidade da Europa. O país cresce, as contas melhoram, o desemprego cai, o pais paga a dívida, exporta mais, emprega mais em sectores cruciais do serviço público, como a saúde, devolve aos trabalhadores o que antes havia sido retirado à bruta, etc., e, no entanto, as televisões "do cabo..." não retratam isto. As notícias que estas televisões "do cabo..." fazem circular são geralmente negativas para o governo, más, pouco auspiciosas, desmotivadoras. Que querem determinadas minorias salazarentas, animadas por esbirros oriundos da pide e com saudade da ditadura? Por isso, Democracia consolidada mas sempre em perigo e atenta aos 21 de Dezembro próximo e a outros que não deixarão de criar. [caption id="attachment_4223" align="alignnone" width="150"] Não aos 21 de Dezembro...de 2018[/caption]  

  • A eleição do Dr.Mário Centeno é uma excelente notícia para Portugal e para o próprio evidentemente. Independente, com formação elevada, nomeadamente em Harvard, mostrou capacidade para gerir exxpectativas em Portugal, conseguindo cumprir e dar satisfação ao alívio necessário da da linha dura que vinha sendo praticada de forma insensível. É uma credencial extraordinária que certamente foi tida em conta na presente eleição. Mário Centeno presidirá a partir de 13 de janeiro ao Eurogrupo, um grupo informal de ministros das finanças e terá de gerir em conjunto com os restantes. No entanto e não despiciendo, a AGENDA será da responsabilidade dele, podendo introduzir temas que até hoje não era possível incluir. As dívidas dos países do sul e como as gerir, e isso não é pouco. No seu mandato vai ser certamente criado o Fundo Monetário Europeu, vai ser criado o super ministro das finanças europeu, etc. É um momento marcante. Mário Centeno terá agora acesso e será presença em diferentes palcos, nomeadamente nas reuniões do G7 e isso amplia a importância de Portugal no mundo. [caption id="attachment_3876" align="alignnone" width="150"] Mário Centeno[/caption] PF

  • EDITORIAL

    A recente discussão sobre a descida da TSU para compensar míseros aumentos salariais e fixação de salário mínimo, obriga a reflexões de todos.

    Portugal nivela sempre "por baixo"

    As estatísticas dizem que a qualificação dos empresários nacionais em elevada percentagem é inferior à dos funcionários que lideram.

    Gera, um problema de falta de visão empresarial, de capacidade de investimento e promoção do futuro e, até a um  incentivo para não estudar, aprender.

    De facto, aprender e estudar, para quê?

    As práticas empresariais em Portugal, visam sempre o enriquecimento rápido sem visão de investimento no futuro.

    Felizmente há exemplos contrários que devem ser saudados, mas, a percentagem de exemplos contrários é abundante.

    Descapitalizam as empresas, adquirem bens que não são resultantes de sucesso profissional, mas da descapitalização das empresas.

    Há exemplos de todo o tipo.

    Pagam salários baixos e o "resto" por fora prejudicando a segurança social e o fisco, mas também os próprios empregados que diminuem a capacidade de ter uma reforma decente.

    Beneficiam da pouca alternativa de emprego e do medo dos empregados.

    São actos indecorosos que não ajudam o futuro ou o crescimento expectável,menos ainda a necessária motivação individual.

    Urge colocar um ponto final em tudo isto e ultrapassar a composição das actuais lideranças empresarias das Confederações patronais que exibem um baixo nível de qualificação e, necessáriamente, nada a esperar da concertação social que deveria ser um factor de desenvolvimento e criação de oportunidades e, assim não é.

    O fausto que exibem é o inverso do insucesso empresarial das fábricas abandonadas que se encontram espalhadas por todo o país.

    Lamentável.

    [caption id="attachment_2898" align="alignnone" width="150"]abandono abandono[/caption] [caption id="attachment_2897" align="alignnone" width="150"]abandono, insucesso abandono, insucesso[/caption]

    PF